Jeans, inimigo do meio ambiente!

Sinônimo de moda básica, as calças jeans são também as peças que mais poluem. Desde as grandes quantidades de agrotóxicos utilizados no cultivo do algodão em larga escala, até o consumo de água para a lavagem da peça em residências, o jeans é um verdadeiro vilão no meio ambiente. Na contramão do consumo inconsciente, novos modelos sustentáveis foram criados, o que só aumenta a discussão sobre o papel do jeans e a sua relação com o caos no meio ambiente.

Desde que Levi Strauss, em 1872, teve a ideia de reforçar a vestimenta dos mineradores com uma roupa mais resistente, o jeans passou por muitas mudanças. Sinônimo de rebeldia e juventude, a peça logo caiu nas graças de personalidades como James Dean (foto) e Marlon Brando. A partir daí, as calças jeans, em sua maioria na coloração azul, caíram no gosto da população.

Hoje não há quem não tenha pelo menos uma peça em jeans no guarda-roupa. Afinal, com o dia-a-dia atribulado e cheio de compromissos, a população deseja por uma peça que facilite o conforto, a comodidade, que seja bonita e ao mesmo tempo casual. Com o aumento da procura, a indústria do jeans inchou em detrimento do meio ambiente.

O Polo têxtil de Toritama em Pernambuco  produz quatro milhões de peças em jeans por mês! Essa indústria do nosso Estado está poluindo até os lençóis freáticos segundo estudos apresentados.

Estima-se que até o nível do mar tenha subido por conta da produção das peças jeans. Segundo especialistas em água da Universidade de Utrecht e do instituto de pesquisas Deltares, o uso excessivo de águas subterrâneas – por exemplo, para irrigação de plantações de algodão – contribuiu com até um quarto do aumento do nível do mar, que é atualmente mais de três milímetros por ano.

E o impacto no meio ambiente não ocorre apenas no que tange à produção de algodão. O tingimento, os corantes usados na lavagem da peça, a energia para o transporte em todo mundo, a quantidade de embalagem que vai parar no lixo, além dos galões de água e detergentes usados pelos consumidores, tudo isso para a produção de algumas peças.

Assustados com esta realidade, houve quem criasse novas formas de unir a praticidade do jeans com o pensamento ecológico. Novos modelos mais sustentáveis da peça começaram a surgir no mercado como uma alternativa à larga escala que pouco se preocupa com o meio ambiente. O lançamento de calças produzidas com algodão orgânico, que evitam o contato com produtos químicos e substancias tóxicas, novas formas de lavagem e até mesmo o controle por parte dos consumidores, mostraram que uma nova consciência estava para surgir.

Como saber se o meu jeans é sustentável?

Alguns aspectos devem ser levados em consideração na hora de comprar uma calça deste tecido. Uma roupa em jeans só é verdadeiramente sustentável quando feita com algodão orgânico certificado, ou quando foram reutilizados retalhos de jeans velhos já existentes no mercado.

Além disso, é importante se preocupar com a mão de obra, que deve ser remunerada de acordo com as leis trabalhistas. A empresa deve se preocupar também com o reaproveitamento da água, com a reciclagem de resíduos e com a diminuição de desperdício na produção.

Uma calça jeans só será 100% sustentável se o tingimento for natural, ou seja, quando as tintas químicas são substituídas por corantes naturais. A prática já vem sendo utilizada, com o cultivo sustentável da anileira, fonte de índigo natural (o azul vegetal) e o cultivo de alfafa, aveia e trigo que são fontes de clorofila, o pigmento verde.

Bons exemplos

Percebendo que até mesmo as poluidoras calças jeans podem ter alternativas sustentáveis, várias empresas e grifes começaram a entrar no ramo, sempre mirando no público mais eco-consciente. Foi o caso da marca holandesa Kuyichi, que produz uma linha de jeans 90% orgânica em larga escala. A marca conseguiu alterar praticamente toda a sua produção com adequação às necessidades do meio ambiente.

O Brasil também tem seus bons exemplos. A Eden Organic é uma marca de São Paulo, que ajuda 200 famílias no campo, produtores de algodão 100% orgânico. A marca desenvolve os princípios da sustentabilidade na indústria e em toda sua cadeia produtora.

A Tavex Corporation é uma fabricante do tecido Bio Denim, que substituiu seus processos químicos por naturais em toda a linha de produção. No lugar da goma sintética, um amido natural de batata foi usado e nos processos de lavagem e tingimento, a manteiga de cupuaçu foi utilizada como amaciante natural. A empresa firmou uma parceria com uma comunidade da Amazônia, o que movimenta recursos na região, atendendo as necessidades das famílias locais.

E se você prefere marcas consagradas, é válido perguntar para os vendedores das lojas se as grifes possuem linhas de jeans orgânicos ou mais ecológicos. Com a procura, as marcas perceberão que há público consumidor para aquele tipo de produto.

Quanto custa?

Devido a preocupação com diversos setores (como meio ambiente e condições justas de trabalho), uma peça sustentável tende a ser mais cara do que a produzida em larga escala. Uma calça da marca Kuychi, por exemplo, custa em torno de R$ 300,00, preço alto se comparado à peças em jeans de grifes brasileiras que não se preocupam com o meio ambiente. No entanto, o que é barato pode sair mais caro para o seu bolso e para o meio ambiente.

Segundo a modelo e stylist Chiara Gadaleta Klajmic, do blog Ser Sustentável com Estilo, as peças descartáveis acabam custando mais, afinal, mais peças terão de ser produzidas e compradas para suprir aquelas que foram jogadas fora com apenas alguns meses de uso.

“Além disso, é importante apoiar marcas de moda sustentável e se informar sobre peças de algodão orgânico”, diz Chiara. “E se você não puder comprar, o segredo é revitalizar, ou seja, dar uma cara nova a cada roupa. Customizar calças jeans, bordar e reformar peças antigas que na verdade só precisam de pequenos ajustes”, completa

Como opção à lavagem em casa surge o congelamento do jeans.

A recomendação é de que o jeans fique por mais de 12 horas congelado. Desta forma as bactérias anti-higiênicas seriam eliminadas e a peça jeans estaria “limpa”. Chip Bergh, CEO da Levi’s esclareceu que concorda com a explicação. “Se você conversar com especialistas em tecido, eles vão te dizer para nunca lavá-los”, afirmou.

A lavagem deve acontecer quando há sujeira visível, caso o contrário deve-se deixar a peça tomando um ar e logo depois em um saquinho vedado dentro do congelador. A solução preserva o índigo (corante do jeans) e economiza aquele probleminha de calça encolher após a lavagem.

Já o  professor titular em Microbiologia da UNICAMP, Wanderley Dias da Silveira afirmou em entrevista para o Planeta Verde que a iniciativa do material utilizado para o jeans é nobre, mas o método sugerido para limpeza não é tão eficaz. Segundo ele, bactérias não morrem assim tão facilmente e nem tão pouco são eliminadas completamente em 24 horas de congelamento.

Por via das dúvidas, que tal aderirmos outro tipo de vestimenta? Deixe sua sugestão nos comentários.

Fonte: Ecodesenvolvimento.org

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *